chileoliva

 

Processo Produtivo

O processo de extração do azeite de oliva começa com a colheita das azeitonas. Quando recoletadas, são transportadas a almazara (planta de elaboração), onde são lavadas para passar posteriormente pela moinho. Como resultado da MOAGEM se obtém uma pasta densa que passa para a fase do AMASSADO ou BATIDO, que consiste em uma prolongada friccção do produto para unir as gotas do azeite, quebrar a emulsão e formar uma fase oleosa contínua.

A pasta já amassada debe passar por uma última etapa para adquirir a separação definitiva dos seus três componentes: bagaço refinado (sólido), água de vegetação, e óleo. Isto se chama EXTRAÇãO , e consiste em um centrifugado o decanter da pasta que podem ser de dois ou três fases, dependendo se a separação dos três componentes foi realizada corretamente. O resultado deste processo entra na centrífuga vertical, que remove os últimos restos de água.

Neste momento o produto está em condições de ser consumido, mas para eliminar qualquer elemento sólido que possa haver ficado nas etapas anteriores, o azeite passa por um sistema de FILTRADO e posteriormente é armazenado em “baldes” de aço inoxidável para o seu depois passar pela etapa ENVASADO.

 

Categorias

Segundo o Conselho Oleícola Internacional (COI), o azeite de oliva é o azeite procedente unicamente do fruto do olivo (Olea europeia L.), excluindo os azeites obtidos por dissolventes ou por processos de esterificação e de toda mistura com azeites de outra natureza. Segundo o COI, o azeite de oliva debe comercializar-se de acordo as denominações e definições seguintes:

Os azeites de oliva virgens são os azeites obtidos do fruto do olivo unicamente por processos mecânicos ou por outros meios físicos em condições especialmente térmicas que não produzam a alteração do azeite, que não tenha mais tratamento que o lavado, a decantação, o centrifugado e o filtrado.

Os azeites de oliva virgens aptos para o consumo na forma em que se obtêm incluem:

Azeite de oliva extra virgem:

Azeite de oliva extra virgem cuja acidez livre expressada em ácido oleico é como máximo de 0,8%, não apresenta defeito organoléptico e é o de maior qualidade porque conserva todas as características dessa espécie.

Azeite de oliva virgem:

Azeite de oliva virgem cuja acidez livre expressada em ácido oleico é como máximo 2% e que apresenta algum defeito inferior.

Azeite de oliva virgem corrente:

Azeite de oliva virgem cuja acidez livre expressada em ácido oleico é como máximo 3,3% e que possui mais de um defeito organoléptico mais acentuado que no caso do azeite virgem.

Azeite de oliva virgem lampante:

Azeite de oliva virgem cuja acidez livre expressada em ácido oleico é superior a 3,3% e/ou cujas características organolépticas são deficientes. Não é apto para o consumo na forma em que obtém, se destina as indústrias de refinado (azeite de oliva refinado) ou usos técnicos.

Azeite de oliva refinado:

É o azeite de oliva obtido dos azeites de oliva virgens mediante técnicas de refinado que não provoquem nenhuma modificação da estrutura glicerídica inicial. Sua acidez livre expressada em ácido oleico é como máximo de 0.3%.

Azeite puro de oliva:

Azeite constituído pela mistura de azeite de oliva refinado e de azeites de oliva virgens aptos para o consumo na forma em que se obtém. Sua acidez livre expressada em ácido oleico é como máximo de 1%.

Azeite de bagaço de oliva:

É o azeite obtido pelo tratamento com dissolventes ou outros procedimentos físicos dos bagaços de oliva, menos os azeites obtidos por procedimentos de estrificação e de toda mistura com azeites de outra natureza.

Os azeites de oliva refinados não possuem propriedades benéficas para a saúde como o azeite de oliva extra virgem, devido a que o processo de refinação dos compostos saudáveis como polifenóis são eliminados do azeite, como também os compostos aromáticos que dão o sabor característico dos azeites de oliva de qualidade.

 

Cata de azeite

A qualidade aromática do azeite de oliva é um dos fatores mais valorados pelos consumidores, já que os outros azeites vegetais não possuem essa qualidade como consequência do processo de refinação.

O aroma característico do azeite de oliva constitui um grupo de complexos compostos e voláteis, que se analizam com os sentidos nas apreciações organolépticas mediante CATA DE AZEITE DE OLIVA.

Na cata do azeite de oliva, colocam as mostras em taças opacas, geralmente de cor azul, já que a cor do azeite não é considerado um elemento determinante, em seguida se tapa, cheira e se degusta. Entre cada cata de azeite de oliva, para tirar o sabor da mostra anterior, come-se um pedaço de maçã verde e se toma um gole de água. A cata se realiza a uma temperatura em torno de 28℃, já que nesta temperatura permite a volatilidade dos compostos aromáticos.



A cata compreende os seguintes passos:

Olfativa, Gustativa Tátil, Equilíbrio e harmonia

As características positivas e atributos mais importantes que se devem valorar em um azeite de oliva são:

    • Frutado: conjunto de características varietais de azeitonas sãs e frescas, verdes ou maduras.
    • Amargo: sabor do azeite obtido de azeitonas bem verdes, percebido no final da língua.
    • Picante: sensação tátil de pungência percebida na garganta.
    • Frutado de outros frutos: Maçã, tomate, banana, amêndoa, alcachofra.
    • Verde: folhas, erva recém cortado, figueira.

 

Também, o conjunto de sensações desagradáveis ou defeituosas que podem encontrar nos azeites de oliva são:

  • Rançoso: sensações olfativas, gustativas ou flavor de um azeite que sofreu um processo de oxidação.
  • Bolorento: flavor de um azeite extraído de azeitonas que sofreram um processo de fermentação anaeróbia: devido ao processo prolongado de armazenamento da fruta antes de ser processada (mais de 12 horas).
  • Mofo: flavor de um azeite extraído de azeitonas nas quais se desenvolveram fungos e leveduras, devido ao armazenamento prolongado da fruta antes do processo de extração.
  • Avinagrado: flavor de um azeite que lembra um vinho ou vinagre devido a que as azeitonas sofreram uma fermentação aeróbia.
  • Borras: flavor de um azeite que esteve em contato muito tempo com os fundos fermentados nos tanques de armazenamento de azeite de oliva.
  • Metálico: flavor metálico de um azeite que aparece por estar muito tempo em contato com o aço inoxidável durante o processo de armazenamento do azeite na almazara.

 

Saúde

► Ajuda na perda de peso

O azeite de oliva extra virgem chileno poderia ser de grande ajuda para as pessoas que desejam perder peso. Isto se debe a que aporta uma sensação de saciedade e contém gorduras saudáveis que podem estimular a perda de peso. Nesse caso se recomenda consumir com moderação, já que pode ter um efeito laxantes no organismo.

► Alivia as dores

Pelo seu conteúdo oleocantal, o azeite de oliva tem uma ação anti-inflamatória que pode ajudar a reduzir dores associadas a articulações e músculos. Várias investigações tem concluído que pessoas que consumem regularmente azeite de oliva tem menos dores que aquelas que não consumem.

► Possui propriedades anticancerígenas

Um recente estudo determinou que as pessoas que consumem azeite de oliva frequentemente em sua dieta, tem menos incidência para padecer câncer. Este importante efeito pode estar relacionado com o seu alto teor de ácido oleico, que é o ácido graxo predominante neste alimento.

► Aliado contra a diabetes

Em um estudo publicado pela revista científica Diabetes Care se revelou que qualquer dieta mediterránea que possui azeite de oliva é capaz de reduzir os casos de diabetes tipo II até um 50%. Isso se deve a que o azeite de oliva contém gorduras saudáveis que poderiam ajudar a regular os níveis de açúcar no sangue e na produção de insulina.

► Fortalece o sistema imunológico

O sistema imunológico é muito importante para a saúde, já que é o responsável por atuar contra os vírus, bactérias e outros microorganismos que podem provocar doenças comuns e crônicas. O azeite de oliva é rico em antioxidantes e outros nutrientes essenciais que podem ajudar a fortalecer o sistema imunológico e oferecer proteção contra as doenças.

► Diminui a presão arterial

Somente três colheradas diárias de azeite de oliva podem ajudar a diminuir os altos níveis de pressão arterial. Segundo vários estudos, as gorduras saudáveis do azeite de oliva pode ajudar a reduzir a pressão arterial diastólica e sistólica.

► Controla o colesterol

O azeite de oliva também é um bom aliado para regular o colesterol e eliminar os excessos de colesterol ruim no organismo. As gorduras monoinsaturadas aumentam os níveis de colesterol ruim, prevenindo ao mesmo tempo problemas cardiovasculares.

 

 

Beleza

► Diminui o frizz do cabello

As gorduras saudáveis e nutrientes do azeite de oliva também podem ser aproveitadas para a beleza dos cabelos. Neste caso, você pode utilizar azeite de oliva extra virgem para diminuir o frizz e conseguir esse penteado tão desejado. Esqueça o gel e outros produtos químicos que danificam o cabelo; o azeite de oliva é uma opção saudável que ajuda a eliminar o encaracolado, regenera o cabelo e consegue um brilho único.

► Hidrata a pele naturalmente

Um dos melhores hidratantes naturais para a pele é o azeite de oliva. Mesmo que no mercado exista muitos cremes hidratantes para usar todos os días, o azeite de oliva é uma excelente alternativa que te permite hidratar profundamente a pele, suavizar, prevenir os sinais de envelhecimento prematuro e proteger de danos ocasionados pelo sol.

Perguntas frequentes

O que é um Azeite Virgem Extra?

O azeite virgem é o suco da azeitona, obtido exclusivamente por processos físicos ou mecânicos, seja por pressão, decantação ou centrifugação, que permitem extrair o óleo contido na fruta. Ou seja, é como “espremer” uma azeitona.

Por que o Azeite Virgem Extra é melhor?

Porque o azeite extra-virgem é o suco da azeitona, obtido a partir de frutas saudáveis ​​e em sua maturidade ideal, sob condições de cuidados especiais, para que suas características não sejam alteradas. Apresenta todos os componentes menores de interesse nutricional, além de uma composição extraordinária em ácidos graxos e oferece uma ampla variedade de nuances sensoriais, o que o torna único entre todos os óleos para consumo em petróleo bruto e em outros usos culinários. É um dos elementos essenciais da dieta mediterrânea.

O que é AOVE ou EVOO?

São as iniciais do Azeite Oliva Virgem Extra ou em inglês EVOO – Extra Virgin Olive il. AOVE ou EVOO é o suco da própria azeitona, não há óleo de qualidade superior. Só é extraído por procedimentos mecânicos e a baixas temperaturas – até 28 graus Celsius -, no mesmo dia em que as azeitonas são colhidas, o que deve ser da melhor qualidade e estar no ponto ideal. Uma análise físico-química e uma degustação atestarão sua qualidade.

Por que consumir Azeite Virgem Extra?

O Azeite Virgem Extra preserva todos os benefícios à saúde, como ácidos graxos monoinsaturados (ácido oleico), vitamina E (antioxidante), fitoesteróis (reduz o colesterol) e compostos fenólicos (antioxidantes) presentes nas azeitonas .

Como reconhecer um Azeite Virgem Extra?

Qualquer pessoa pode distinguir facilmente um EVOO apenas tentando. Possui um aroma frutado herbáceo, verde e baixa acidez (máximo de 0,5 °). A acidez, a propósito, não tem a ver com o sabor, mas com a deterioração que o óleo pode ter sofrido e se refere à quantidade de ácidos graxos livres que possui.

O óleo expira?

Todos os óleos são alterados ao longo do tempo, principalmente oxidantes, e podem atingir ranço em uma conservação prolongada. O tempo de uso depende de vários fatores, a variedade, o tipo de óleo, conservação, etc. Por esse motivo, todos os óleos são rotulados com uma data “de preferência consumir antes de …”. Os óleos devem ser consumidos dentro do prazo estipulado pelo packer, pois é quando suas boas condições são garantidas. No entanto, como é um produto que oxida com o tempo, é preferível consumir mais óleos “frescos”, ou seja, sua data de produção é a mais recente possível.

A cor dos azeites extra virgens é importante?

A cor do azeite extra-virgem não tem importância na sua qualidade. A cor não é um parâmetro de qualidade. Consequentemente, o óleo de qualquer cor, do verde ao amarelo dourado, pode ter qualidades semelhantes.

Qual é a acidez dos óleos?

A acidez, medida em ácido oleico, é a quantidade de ácidos graxos livres, expressa nesse ácido. É a medida de uma alteração, por hidrólise, dos triglicerídeos do óleo. É uma expressão, mas não a única, ou mesmo a mais importante, de uma alteração na qualidade do óleo. É usado, juntamente com outros parâmetros, para classificar os óleos virgens nas três categorias, Extra, Virgin e Lampante.

Quando o óleo está frio, aparecem pedaços brancos.

Os nódulos são precipitados de triglicerídeos de ácidos graxos saturados, que solidificam a uma temperatura mais alta do que o restante dos triglicerídeos, e é por isso que aparecem como pequenas pérolas no fundo da garrafa. Esses caroços ou pérolas desaparecem quando a temperatura ambiente aumenta. Esse comportamento é normal e não apresenta problemas para consumi-lo, é apenas um assunto de apresentação do produto.